Charles Bukowski – Ilha de Java

Charles Bukowski

Charles Bukowski  é o meu ídolo, ele é um JavaNunes que deu certo na vida. Um homem que não esconde o que é para agradar a sociedade nojenta e viciada na própria mentira que produz.
Charles Bukowski é o cara!
Assim como eu tenho coragem de contar pra todos que eu sou um fracassado, Charles tem coragem de falar palavrões em seus poemas mostrando como a vida maldita é.
A minha vida não é bonita,  nem quero mais que seja, afinal o sucesso é uma forma de escravidão. Ácido, venenoso e profundamente desgraçado, assim é o velho Bukowski , o meu herói!

há um pássaro azul em meu peito
que quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo, fique aí, não deixarei que ninguém o veja.
há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas eu despejo uísque sobre ele e inalo
fumaça de cigarro
e as putas e os atendentes dos bares
e das mercearias
nunca saberão que
ele está
lá dentro.
há um pássaro azul em meu peito
que quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo,
fique aí,
quer acabar comigo?
(…) há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou bastante esperto, deixo que ele saia
somente em algumas noites
quando todos estão dormindo.
eu digo: sei que você está aí,
então não fique triste.
depois, o coloco de volta em seu lugar,
mas ele ainda canta um pouquinho
lá dentro, não deixo que morra
completamente
e nós dormimos juntos
assim
como nosso pacto secreto
e isto é bom o suficiente para
fazer um homem
chorar,
mas eu não choro,
e você?

 

Dinosauria, Nós
Nascidos como isso
Adentro isso
Enquanto as caras de giz sorriem
Enquanto a Srª Morte ri
Enquanto os elevadores quebram
Enquanto cenários políticos dissolvem
Enquanto o empacotador do supermercado ganha um diploma universitário
Enquanto peixes oleosos cospem fora suas presas oleosas
Enquanto o sol é mascarado
Nós somos
Nascidos como isso
Adentro isso
Adentro essas guerras cuidadosamente loucas
Adentro a visão de janelas de fábricas quebradas de vazio
Adentro bares onde as pessoas não mais conversam umas com as outras
Adentro trocas de soco que acabam como tiroteios e esfaqueamentos
Nascidos adentro isso
Adentro hospitais que são tão caros que é mais barato morrer
Adentro advogados que cobram tanto que é mais barato declarar culpa
Adentro um país onde as cadeias estão cheias e os hospícios fechados
Adentro um lugar onde as massas promovem idiotas a heróis ricos
Nascidos adentro isso
Andando e vivendo através disso
Morrendo por causa disso
Emudecidos por causa disso
Castrados
Depravados
Deserdados
Por causa disso
Enganados por isso
Usados por isso
Emputecidos por isso
Tornados loucos e doentes por isso
Tornados violentos
Tornados desumanos
Por isso
O coração enegrecido
Os dedos se estendem para a garganta
A arma
A faca
A bomba
Os dedos se estendem em direção a um deus irresponsivo
Os dedos se estendem para a garrafa
A pílula
A pólvora
Nós somos nascidos adentro essa lamentável mortalidade
Nós somos nascidos adentro um governo há 60 anos em dívida
Que logo será incapaz de pagar até mesmo os juros dessa dívida
E os bancos irão queimar
Dinheiro será inútil
Haverá assassinato livre e impune nas ruas
Serão armas e quadrilhas nômades
Terra será inútil
Comida será um rendimento decrescente
Força nuclear será tomada pela multidão
Explosões irão continuamente sacudir a Terra
Homens-robôs radioativos irão espreitar uns aos outros
Os ricos e os escolhidos irão assistir de plataformas espaciais
O Inferno de Dante se fará parecer com um parque de diversões infantil
O Sol não será visto e será sempre noite
Árvores irão morrer
Toda a vegetação irá morrer
Homens radioativos comerão a carne de homens radioativos
O mar será envenenado
Os lagos e rios irão sumir
Chuva será o novo ouro
Os corpos em apodrecimento de homens e animais irão feder no vento escuro
Os últimos poucos sobreviventes serão tomados por novas e terríveis doenças
E as plataformas espaciais serão destruídas pelo desgaste
O esgotamento dos suprimentos
O efeito natural do decaimento geral
E haverá o mais bonito silêncio jamais ouvido
Nascido fora disso.
O Sol ainda escondido
“O amor é uma espécie de preconceito. A gente ama o que precisa, ama o que faz sentir bem, ama o que é conveniente. Como pode dizer que ama uma pessoa quando há dez mil outras no mundo que você amaria mais se conhecesse? Mas a gente nunca conhece.”
“Não era meu dia. Não era minha semana. Não era meu mês. Não era meu ano. Não era a porra da minha vida.”
“O que eu odeio é que algum dia tudo se reduzirá a nada, os amores, os poemas. Acabaremos recheados de terra como um taco barato. Que coisa mais triste, tudo é tão triste – a gente passa a vida inteira feito bobo pra depois morrer que nem besta.”
“Eu era pior que qualquer puta; uma puta só toma seu dinheiro, nada mais. Eu bagunçava vidas e almas como se fossem brinquedos. Como é que eu ainda me considerava um homem?”
“As pessoas são interessantes no início. Aos poucos, porém, todos os defeitos e loucuradas botam as manguinhas de fora, é inevitável. Começo a significar cada vez menos pras pessoas, e elas pra mim.”
“Cheguei numa fase da minha vida que vejo que a única coisa que fiz até agora foi fugir, fugir de mim mesmo, do meu nada, e agora não tenho mais para onde ir, nem sei o que vou fazer, fui péssimo em tudo.”
 Veja também: Portfólio

http://www.javanunes.com/charles-bukowski/