Filosofia – Ilha de Java

Filosofia

Aqui você encontrará a filosofia minha de ser, ou seja, como as coisas deveriam funcionar para mim. Vivo apenas porque tenho medo de tirar a minha vida. A vida pra mim é movimento caótico onde tentamos entender o que não precisa de entendimento. Pra que entender as coisas? Pra não deixarmos a farsa do nosso personagem acabar mais cedo… Resumindo: sei lá o que é vida!

1 Educação social
Educação não é o ato de você dar automaticamente todos os dias as mãos cheias de vermes do seu saco para os outros apertarem falando um robótico ‘bom dia’, ‘boa tarde’, ‘boa noite’  ou ‘guten morgen’ , isso aí na verdade são jogos sociais para a pessoa conseguir manipular mais facilmente as pessoas  ao redor dela. Qualquer pessoa que lhe odeia é capaz de fazer isso e sinceramente eu não faço questão que as pessoas tenham ele comigo. Educação social é você respeitar o território do outro, não querer modificar o outro sem que se tenha essa permissão, não impor ao outro que não depende de sua hierarquia o seu modo de viver ou suas crenças. Educação social é falar ‘NÃO’ para pessoas invasivas ou que de alguma forma estão lhe fazendo sentir-se mal, não ter vergonha de colocar limites nas relações é essencial para termos uma vida social digna e saudável. Respeitar regras deixadas claras, não interferir onde ninguém implicitamente ou explicitamente pediu e aceitar as diferenças que não infrinjam na vida do seu território, não essenciais para se ter uma boa vida, pelo menos comigo. Outra coisa, não obrigar a ninguém confiar em você e vice versa, a confiança deve ser natural e não imposta, de primeiro momento, todos são estranhos e por isso não temos que confiar obrigatoriamente em ninguém.
A nossa vida não deve ser norteada para agradar ou desagradas as pessoas, a nossa vida boa e digna.

2 Vida econômica
O estado deve ajudar ou induzir os seus cidadães a terem sucesso. O estado não é uma empresa mas sim uma maneira autoritária onde as pessoas nascem para terem um mínimo de facilidade para conseguirem viver bem através de regras.  A economia não precisa ser totalmente controlada pelo estado mas também não deve ser abandonada por ele pois a economia por si só não visa o bem estar da maioria das pessoas, se deixarmos, o mercado e a economia irão fazer de tudo um local de aposta para se ter lucros sem se produzir riquezas, fatalmente um estado que deixa isso acontecer está fadado ser precarizado. A economia interna não nasce forte e precisa ser protegida em determinados momentos pelo estado.

3 O amor por pessoas
O amor nada mais é que o resultado de uma visão de belo que se faz sobre uma outra pessoa que supostamente tem condições genéticas mais favoráveis ou igual a você, os seu corpo ‘ama’ apenas por achar que aquilo amado é perfeito e assim, trazendo o ‘perfeito’ para o seu lado, você de certa parte será de alguma forma perfeito também. O amor é um truque sexual/biológico que nos recompensa por prazer, as pessoas podem vivê-lo se quiserem ter algum tipo diversão ou sentido na vida mas deve se levar em conta que ele é resultado de puro interesse mesquinho do seu sistema biológico.
Sobre os relacionamentos amorosos, embora eu nunca tivesse tido o prazer de ter algum, afirmo que estes não existem no regime de exclusividade, não é porque uma pessoa lhe exerce fascínio que não existe mais ninguém no planeta que também não lhe cause fascínio, acreditar nisso é uma ilusão, as pessoas são atraídas por vários tipos de pessoas naturalmente, quando se gosta de uma pessoa as outras não morrem.

4 A vida depois da morte, o sobrenatural e os deuses
Tirando as ‘experiencias’ anedóticas eu não tenho insumo algum para dizer que algo que eu nunca vi, existe.
Também seria impulsividade da minha parte em garantir que tais coisas não existam porem eu não tenho nada palpável que aponte o contrário. E se existir algo sobrenatural, o que pode nos garantir que essa força sobrenatural é benéfica, maléfica ou uma mistura das duas coisas? Um livro? Ora bolas, se supostamente lhe damos com seres mais poderosos no ‘outro lado’ não temos como garantir que as intenções deles conosco sejam as melhores, na vida sabemos que quem tem mais poder quer impor e quem não tem só tem, pelo o que eu vejo, três alternativas: fugir, ficar à deriva ou se equiparar. Por isso a hipotética existência do sobrenatural não deveria ser motivo de conforto a ninguém.

5 O bem e o mal
Essa dicotomia é adotada por nós para vivermos de modo mais seguro em um grupo de pessoas. Dentro de você pode realmente existir um senso de justiça formado por empatia e cultura que lhe diga o que é certo ou não fazer, porem o universo não é bom ou mal, o universo é um grupo de reações incalculáveis, para você existir, coisas consideradas ruins ou sofridas para outros tipos vidas foram feitas. Não estou aqui pregando que todo mundo largue esse senso, apenas estou chamando a atenção para a consciência de todos que o conceito de ‘bem e mal’ é uma unidade de medida tão limitada como se tentar definir onde é cima e baixo no hiperespaço.

6 Ser sério
Não me é confortável ser o tempo todo uma pessoa séria, não gosto de ser sério quando isso pra mim não é espontâneo,  também não gosto de ser feliz à toa, embora muitas pessoas confundam descontrole emocional, impulsividade e ser efusivo com ser ‘feliz’ , quando a pessoa não é assim, já é tachada de depressiva e antissocial, bom, eu prefiro ser seletosocial (escolher com quem eu vou me relacionar evitando gente toxica  e invasiva) , quanto a ser sério? Não, eu não quero carregar esse fardo. Gosto de ser gaiato comigo mesmo e irreverente onde sou bem-vindo, me sinto mais livre tendo permissão para errar. Deixe a ‘perfeição’ para os querem montar um excelente personagem…

 

 

 

 


Bom, se você tiver interesse em saber o que eu penso sobre um determinado aspecto da vida, mande pra eu analisá-lo.


http://www.javanunes.com/filosofia/